6 coisas que não sabia sobre vacinas

28 de Setembro de 2020

Em plena crise de COVID-19 ou Coronavírus, em que muitos foram os países que ativaram estados nacionais de emergência, encontrar uma vacina para conter a epidemia o mais rápido possível tornou-se uma corrida de longa distância. Provavelmente a mais importante nos últimos anos em todo o mundo. Mas sabe como funciona uma vacina? Qual foi a primeira? Contamos estas e outras curiosidades sobre vacinas.

COMO FUNCIONA UMA VACINA

Uma vacina é basicamente um alerta para o sistema imunológico. A mesma bactéria ou vírus do qual nos queremos proteger é inoculado no sangue, mas de forma enfraquecida ou morta. Dessa forma, o sistema é acionado para matar esse corpo estranho e a partir desse momento “aprende” a fazê-lo. A “memória imunológica” desenvolve-se e a partir desse momento o corpo fica imune à doença. É por isto que, às vezes, as vacinas produzem certas contraindicações, como febre ou mal-estar, uma vez que o sistema imunológico está ativo. O sistema está a lutar contra a doença já enfraquecida.

 

A HISTÓRIA DAS VACINAS

Nos finais do século XVIII, a varíola era uma das principais causas de morte de toda a população. Estima-se que 60% da população tenha sido afetada. Nessa altura, já se conhecia que inocular o próprio tecido doente funcionava em alguns casos, mas era extremamente perigoso. Foi Edward Jenner a quem ocorreu uma teoria que eventualmente levaria à invenção das vacinas. Este observou que as leiteiras, que estavam em contato com as vacas, muitas delas eram imunes ao vírus. Durante a ordenha, estas estavam em contato direto com o pus das bolhas virais das vacas, o que o leva a deduzir que esse contato as protegia da própria doença.

 

Em 1796, Edward Jenner inoculou um rapaz de 8 anos com pus de uma leiteira que havia contraído o vírus. Depois disso, tentou várias vezes infetá-lo (técnica conhecida como varíolação), impossibilitando-o de contrair a doença.

Esta prática é considerada antiética, embora também se considere que este salvou mais pessoas do que qualquer outro.

TIPOS DE VACINAS

Existem diferentes tipos de vacinas, dependendo da doença que se pretende combater:

  • Vivos, atenuados: sarampo, caxumba, rubéola…
  • Inativo, mortos: poliomielite e hepatite A;
  • Toxina inativa (toxoide): difteria, tétano …
  • Sub-unitária: hepatite B, influenza …

 

O QUE SIGNIFICA A EXISTÊNCIA DE VACINAS

Segundo a OMS, a existência de vacinas evita 3 milhões de mortes por ano, 2,5 crianças. A verdade é que a própria existência de vacinas também levou a, segundo Fernando Moraga-Llop, vice-presidente da Associação Espanhola de Vacinação (AEV) de somospacientes.com, que “os mais jovens se esquecem dessas doença, aparentemente erradicadas, sem pensar que estas nunca nos esquecem e voltarão a surgir, como já aconteceu, à menor oportunidade. Daí a importância de se continuar a vacinar”.

 

DE ONDE VEM A PALAVRA VACINA

Etimologicamente, vem de vacca (vaca em latim), pois foi através das leiteiras que ordenhavam que Jenner percebeu que eram imunes. Acredita-se que estes contraiam uma variante menor da varíola, a que chamam de varíola bovina.

 

QUANTO TEMPO DEMORA O DESENVOLVIMENTO DE UMA VACINA

Não existe uma resposta concreta a esta questão, pois são muitos os fatores que a influenciam. De acordo com a vanaguardia.com, em condições normais, o desenvolvimento de uma vacina pode levar dez anos. O desenvolvimento mais rápido de uma vacina até agora foi o do Ébola.

Relativamente à situação que vivemos atualmente, a crise COVID-19, estima-se que a vacina possa ser atrasada entre um ano a 18 meses apesar  do esforço e dos recursos que estão a ser aplicados para este fim.

Contenido relacionado