A crucificação ainda é utilizada?

2 de Dezembro de 2021

A crucificação de Jesus é a mais famosa de todas, mas não a primeira ou a única. Os romanos adotaram este ato como pena de morte já na época pré-romana, mas de acordo com estudos e publicações de vários especialistas, a crucificação teve origem no império assírio.

Nessa altura, era utilizada uma versão mais rudimentar da crucificação, utilizando apenas o poste vertical para prender o prisioneiro. Como veremos abaixo, isto foi algo que voltou a ser utilizado novamente nos nossos dias. Originalmente, a palavra latina “crux” significa dobrado, torcido. Foi o termo crux compacta que foi utilizado para descrever a versão “moderna” da crucificação persa, aquela com a adição de um poste horizontal no seu ponto médio-alto que hoje conhecemos. No século IV, Constantino proibiu a crucificação, mas foi mais tarde reintroduzida, e ainda hoje devemos lamentar o uso desta tortura monstruosa.

As crucificações têm sido documentadas em diferentes partes do mundo e em diferentes momentos da história. Durante as duas guerras mundiais houve algumas, como no caso do soldado canadiano Harry Banks. Jesús Hernández Martínez e Ian Overton escreveram sobre o seu caso em dois livros. De acordo com estes autores, soldados alemães crucificaram-no como forma de retaliação por um massacre a outros soldados. Não é claro se foi uma crucificação “normal” ou apenas uma crucificação usando um poste vertical. Há também relatos de crucificações durante a Segunda Guerra Mundial no campo de concentração de Dachau. De acordo com o sobrevivente Aaron Pozner, os nazis crucificavam, apenas com um poste, vários prisioneiros que eram homossexuais e as Testemunhas de Jeová.

Também são conhecidas as crucificações que têm lugar na Arábia Saudita, crucificações que o governo não desmente. Em Riad, em 2009, Askar al-Shamlani al-‘Anzi, acusado de rapto e de relações homossexuais, foi crucificado. No entanto, na Arábia Saudita a crucificação em si não é usada como um instrumento para causar a morte, como era nos tempos antigos, mas como um meio de humilhação pública. Isto é algo que também acontecia em Roma, uma vez que para eles pendurar o prisioneiro na cruz era um símbolo de o retirar da sua terra santa.

Askar al-Shamlani al-‘Anzi foi primeiro decapitado e depois crucificado. Após a decapitação, a cabeça é novamente colada ao corpo e depois exposta na cruz. Este não foi o único caso que ocorreu na Arábia Saudita.

Recentemente, existiram casos em países como a Síria e o México, execuções realizadas pela Daesh, no primeiro caso, ou pela máfia, no segundo. Em 2010, um homem decapitado foi encontrado no México, crucificado usando as grades de uma casa em Ciudad Juárez. Em 2012, um homem acusado de violação foi castrado e enforcado num poste em Michoacán.

Um dos acontecimentos de crucificação mais brutais do nosso tempo ocorreu em 2002 no Sudão (antes da criação do Sudão do Sul). O governo islâmico de al-Bashir perpetrou vários crimes durante um conflito armado, enforcando e crucificando 86 adultos e 2 crianças.

A crucificação que teve lugar no Japão durante o século XVI em Nagasaki é bem conhecida e documentada. Vinte e seis cristãos foram enforcados até à morte por tentarem introduzir o cristianismo no governo.

Contenido relacionado