AS CRIATURAS DO ALÉM: O SUBMUNDO NA HISTÓRIA

2 de Dezembro de 2021

Caminham entre os vivos, mas pertencem ao outro mundo. Criaturas que se escondem atrás de nomes diferentes: espíritos e almas errantes, mas serão eles produto dos nossos medos, ou serão eles provas de uma vida para além da morte? Ao longo da história, o ser humano têm tentado responder a uma das questões mais enigmáticas que, ainda hoje, a ciência não foi capaz de resolver: O que é que existe depois da morte? Todas as culturas, desenvolveram uma visão transcendental da morte e encheram o submundo (o mundo para além da vida) com rituais de habitantes de todos os tipos. Estes são alguns deles:

CAÇA SELVAGEM (EXTREMADURA)

Este mito tem origem em antigas lendas nórdicas, ligadas às hostes selvagens do deus Odin. São um exército sobrenatural de caçadores, acompanhados por cães e cavalos de caça, que saem em noites de tempestade para caçar as almas daqueles infelizes o suficiente para encontrar este exército de criaturas do submundo.

Supostamente voam, e são considerados como um aviso da chegada de catástrofes naturais. Uma variante espanhola deste mito é a chamada Santa Compaña, enraizada em regiões como a Galiza.

 

LA SANTA COMPAÑA (GALICIA)

A Santa Compaña é uma procissão noturna de almas em sofrimento que, cobertas por um pano preto e carregando uma cruz, uma bandeira, um caldeirão de água benta e uma lanterna, percorrem as estradas e as aldeias da Galicia. Anunciam a sua passagem com um sino tocado pelo último membro da procissão.

A cruz, à cabeça da procissão, é levada por uma pessoa viva presa pela Compaña. A única maneira de escapar à procissão sinistra é passar a cruz a outra pessoa viva que tome o seu lugar. Para não fazer parte de uma companhia tão sombria de criaturas, é necessário traçar um círculo no chão com um ramo de oliveira e entrar nele.

 

VAMPIROS (TODO O MUNDO)

De acordo com as diferentes histórias e de acordo com a superstição mais comum que se tornou popular na Europa no início do século XVIII, este “não-morto” alimenta-se do sangue dos vivos para extrair a sua força vital. Vive principalmente à noite e tem presas e unhas muito compridas. Tem um poder hipnótico e um dom para a sedução que lhe permite, em particular, atrair eficazmente as mulheres e aproximar-se mais facilmente das suas vítimas.

Contudo, tem também muitas fraquezas: teme lugares e objetos sagrados, e pode ser enfraquecido por uma série de plantas como a verbena ou a flor de alho. Diz-se que um vampiro pode ser morto por decapitação ou ao espetar uma estaca no seu coração.

 

LOBISOMEM (GALÍCIA)

Na Galicia, diz a lenda que se um casal casado tiver um filho no dia de Natal, por desafiar Cristo, nascerão sete ou nove filhos sem uma rapariga no meio, este último será marcado por um estigma que o transformará num lobisomem.

Rejeitado, deve fugir para a floresta durante um período de sete anos, durante o qual não pode ser prejudicado ou capturado. Contudo, na tradição galega também se diz que uma criança pode nascer com o gene lobisomem e que se manifesta cronicamente ao longo da sua vida.

 

ANJOS E DEMÓNIOS (TODO O MUNDO)

Em todas as visões míticas da vida após a morte, existem seres “bons” e “maus”. Os anjos são considerados como seres de luz, emissários de Deus na terra. O seu próprio nome significa “o mensageiro”. Havia diferentes tipos de anjos, tais como serafins, arcanjos e querubins.

Um deles caiu no erro de desafiar a vontade de Deus. Ele é o chamado “anjo caído” também conhecido como satanás, lucifer ou o diabo. Um ser que habita no submundo e atormenta almas que têm sido tentadas a afastar-se de Deus.

WENDIGO (AMÉRICA DO NORTE)

O Wendigo é uma criatura sobrenatural, maligna e antropofágica, oriunda da mitologia dos ameríndios argelinos do Canadá, que se espalhou pela América do Norte. Esta lenda é partilhada por várias nações ameríndias e pode designar a transformação física de um humano após o consumo de carne humana, resultando na posse espiritual. O Wendigo também reforçou o tabu que envolve a prática do canibalismo entre estes povos. Os Wendigos vivem nas profundezas da floresta e aparecem em contos sobrenaturais desumanos e hediondos.

 

OGRE (EUROPA)

Um ogre é uma personagem de conto de fadas das tradições populares de toda a Europa, uma espécie de gigante cuja única obsessão é alimentar-se de carne fresca e devorar as crianças pequenas. Os ogres são retratados como brutos, gigantes, peludos, pouco inteligentes e cruéis.

Ao contrário do lobo, que devora as suas vítimas cruas, o ogre gosta da sua carne preparada e cozinhada, em molho, como faria com carne de vaca ou borrego. Tem má visão, mas tem um olfato excecional que lhe permite compensar a sua fraca visão.

 

GIGANTE (EUROPA)

Os gigantes são criaturas humanoides que personificam as forças da natureza. Embora as mitologias (tanto gregas como nórdicas) condedem-lhes origens muito diferentes, todas elas concordam em descrever os gigantes como personagens caracterizadas por uma estatura e força excecionais. Apesar do seu grande tamanho, vivem escondidos nas montanhas mais altas. Ao contrário do que se poderia pensar, os gigantes são criaturas caóticas, ao contrário dos deuses que representam a ordem.

 

HARRAMACHOS (NAVALACRUZ, ÁVILA)

Seres das florestas, típicos da mitologia d’Ávila, que descem das montanhas para a aldeia uma vez por ano para celebrar o Carnaval antes da chegada da Quaresma, levando a cabo todo o tipo de excessos. As suas faces estão cobertas com folhas secas, casca de carvalho ou peles e transportam paus de caminhada decorados com elementos da floresta. Percorrem as ruas das aldeias de Navalacruz assustando uns e perseguindo outros, tocando as suas campainhas (típicas da iconografia dos pastores), semeando o caos e a confusão entre a população.

Contenido relacionado