As espadas mais poderosas da história

27 de Agosto de 2020

Há milhões de anos, a Humanidade começou a utilizar a pedra como arma e desde então a história tem sido marcada pela evolução destas armas.

As armas têm sido a chave para a queda e ascensão das civilizações, para ocupar e defender territórios ou mesmo para defender a honra de uma pessoa. Como é habitual em tudo relacionado com a história, surgem lendas e algumas das armas mais famosas estão no limiar que separa o mito da realidade. Apresentamos-vos as 10 espadas mais épicas pela sua história inesquecível e lendária.

Excalibur, uma das espadas mais lendárias, estava embutida numa rocha e só podia ser retirada pelo rei de Inglaterra, o lendário rei Artur. A sua bainha poderia impedir o seu dono de sangrar até à morte após ser ferido em batalha.

Segundo a mitologia escandinava, a espada de Gram foi forjada por Völundr, o ferreiro mágico. Diz-se que Sigurd a tirou da árvore, onde Odin a tinha enterrado. Por esta razão Sigurd conseguiu derrotar um dragão, e embora a espada se tenha partido durante a batalha, ela foi forjada e afiada novamente.

A espada de Átila foi recebida como símbolo divino e, depois do êxito no campo de batalha, não seria de estranhar que tivesse sido enviada pelos mesmos deuses. Diz-se que esta está no Museu de História de Arte em Viena, mas não pode ser a verdadeira espada de Átila, pois foi forjada 500 anos após a morte do famoso senhor da guerra dos Hunos.

Joyeuse foi a famosa espada que Carlos Magno usou para unir a maior parte da Europa Ocidental. Foi dito que o seu cabo foi feito a partir dos restos da lança sagrada. Circularam rumores semelhantes sobre Durandal, a espada de Roland, sobrinho de Carlos Magno. Dizia-se que continha um dente de São Pedro, roupa da Virgem Maria e sangue de São Basílio. A lenda conta que Roland atirou a espada contra um penhasco e esta permaneceu presa.

A história da Joana d’Arc é uma das mais lendárias. A lenda conta que São Miguel apareceu à heroína francesa e encorajou-a a encontrar a espada sagrada escondida no altar da Igreja de Santa Catarina de Firbois. Joana lutou com ela no campo de batalha durante a Guerra dos 100 Anos, mas nem a espada nem as suas vitórias a impediram de ser queimada na fogueira.

O herói espanhol por excelência, El Cid Campeador, com as suas duas espadas, a Tizona e a Colada, reconquistou os territórios espanhóis. Quando surgiu a dúvida se a Tizona era utilizada pelo guerreiro, foram realizados testes científicos que confirmaram a presença do aço de Damasco. Caracteriza-se pela sua dureza e nitidez. Encontra-se atualmente em exposição no Museu Burgos.

Claymore foi a poderosa espada escolhida por William Wallace. Com ele combateu os ingleses durante as guerras de independência escocesas. Quando foi capturado e executado, Claymore desapareceu durante centenas de anos e agora repousa sobre o monumento de Wallace.

Zulfiqar pertencia a Hazrat Ali, primo e genro de Muhammad. De facto, diz-se que o Profeta deu Zulfikar a Ali na Batalha de Uhud, sendo por isto um símbolo do Islão. É uma espada de lâmina curva com extrema força e velocidade.

Esta espada conta a história de Dâmocles, que continuamente lisonjeava o monarca. Um dia, o Rei, cansado de falsos elogios, ofereceu-lhe o seu lugar por um dia. Dâmocles aceitou e o Rei pendurou no trono uma enorme espada segurada apenas por um único pelo da cauda de um cavalo. Dâmocles implorou para deixar o trono e assim a expressão espada de Dâmocles ficou até aos dias de hoje

Este não é uma espada, mas sim um martelo. No entanto, este é tão ou mais lendário do que o resto das espadas: o lendário martelo Mjölnir de Thor, o Deus Nórdico dos Relâmpagos. Foi feito pelos anões Sindri e Brok depois de terem sido desafiados a criar objetos mais bonitos do que os dos filhos de Ivaldi. Além disso, o martelo era tão potente que não podia ser destruído e voltava sempre a Thor cada vez que ele o atirava.

Contenido relacionado