Cinco coisas que não sabia sobre Albert Einstein

12 de Novembro de 2019

Albert Einstein foi um físico alemão que criou a teoria da relatividade, tendo sido considerado o cientista mais importante do século XX.

A sua personalidade exuberante fez com que Einstein estivesse presente no foco público, tendo participado regularmente em tertúlias intelectuais e acumulado amizades de renome em várias áreas da cultura.

Em 1905, Albert Einstein trabalhou no Escritório de Patentes de Berna, trabalho este que combinou com os seus estudos físicos nas horas vagas. Foi então que o cientista publicou quatro artigos, um deles era a teoria da relatividade espacial E = mc2. Uma teoria que revolucionou a ciência e lançou luz, abrindo o debate à incompatibilidade entre a mecânica de Newton e o eletromagnetismo. Mas apesar de tudo isso, e sendo um dos cientistas mais conhecidos da História, certamente existem dados que são por muitos desconhecidos. Entre eles:

 

1 – Levou anos para começar a falar. Einstein começou a falar fluentemente aos nove anos. Até então, falava muito devagar e não sabia construir frases ou expressar-se correctamente. Por causa disso, e pela sua má prestação escolar, os pais chegaram a pensar que a criança poderia ter algum tipo de atraso mental.

 

2 – O seu primeiro casamento com Mileva Maric passou por inúmeras dificuldades. Apesar de terem em comum o amor pela Física, (estudaram juntos), os problemas no relacionamento começaram a ocorrer no momento em que Einstein ficou conhecido. A fama levou-o a viajar por longos períodos de tempo, tendo criado um distanciamento que resultou na separação do casal. Após o divórcio e a posterior morte da esposa, Einstein ficou sem falar com o filho mais velho, pois este acusava-o de ser o único responsável pela situação.

 

3 – Albert Einstein era judeu e, anos antes de Hitler ser governante na Alemanha e líder do Partido Nazi, a família mudou-se para Itália e estabeleceu-se mais tarde na Suíça. Mais tarde, Einstein lembrou esse momento como um “golpe de sorte” que os levou a ficar fora da Alemanha quando a guerra eclodiu. Apesar da distância, Albert Einstein não era estranho ao poder nazi e às intenções de construir uma bomba atómica. Por isso, ofereceu os seus serviços ao presidente dos Estados Unidos da América, Franklin Delano Roosevelt, para construir uma bomba atómica como método de defesa. O governo dos EUA rejeitou a sua colaboração devido às origens do físico.

 

4 – Não foi apenas o interesse de Albert Einstein em construir uma bomba atómica que levou o FBI a investigá-lo. O físico teórico já estava a ser seguido desde 1933 por agências secretas norte-americanas devido às suas relações com organizações pacifistas e sociais.

 

5 – O cérebro de Albert Eintein foi doado à ciência e, posteriormente, pesquisado. Após a sua morte, o médico Thomas Stoltz Harvey dissecou o cérebro do cientista em vários fragmentos que foram estudados pelos melhores cientistas do mundo. A característica mais proeminente desses estudos está no facto de o cérebro de Einstein apresentar um número elevado às células da glia, responsável pela recepção e transmissão de informações.

 

 

Tags:

Contenido relacionado