Cleópatra, a última rainha

29 de Janeiro de 2021

Cleópatra VII nasceu por volta de 69 a.C. em Alexandria, Egito. Faleceu por volta de 30 a.C., na mesma cidade egípcia.

Foi a última rainha do Egito, pertencente à dinastia Ptolemaica. A sua figura é uma das mais lembradas no antigo Egito.

 

RAINHA DO EGITO HELENÍSTICO

Cleópatra, que em grego significa “glória do seu pai”, era a filha do rei Ptolomeu XII. A sua mãe, possivelmente Cleópatra VI, embora não haja registo dela. Era descendente de uma linhagem macedónia. O seu pai, para dar continuidade a sua dinastia, ordenou a Cleópatra que casasse com o seu irmão Ptolomeu XIII. Ptolomeu XII morreu por volta de 51 a.C, o ano em que Cleópatra ocupou o trono. Não há registo de Cleópatra ter casado com o seu irmão. Na verdade, muitos acreditam que a rainha egípcia e Ptolomeu XIII tiveram vários confrontos e não chegaram a casar.

Durante os seus anos de reinado, Cleópatra teve de enfrentar os problemas que o seu povo estava a atravessar: desde a fome, à seca e às crises políticas. Além disso, ela herdou uma dívida de significativa de Roma, contraída pelo seu pai.

 

 

 

GUERRA ALEXANDRINA

No entanto, a pior crise que enfrentou foi a luta pelo poder com o seu irmão Ptolomeu XIII. Este teve muitos aliados influentes e originou uma guerra entre os dois lados.

Em 50 a.C., Ptolomeu XIII parece ter destronado Cleópatra. Queria aliar-se ao seu irmão, Ptolomeu XIV, mas não foi capaz de o fazer. Ptolomeu XIII ultrapassou-a e começou a assinar documentos como rei em 49 a.C.

Enquanto decorria o conflito entre os irmãos, o político romano Pompeu, exilado na Grécia no meio da guerra civil romana, pediu ajuda militar. Tanto Cleópatra como Ptolomeu XIII concordaram em dar-lhe ajuda.

Acredita-se que depois deste gesto, Pompeu nomeou Ptolomeu XIII como o único governador do Egipto, mas não há documentos que o afirmem. Em qualquer caso, Cleópatra saiu de Alexandria.

No seu regresso, voltou com um exército para combater o seu irmão. No entanto, as forças de Ptolomeu XIII reprimiram o avanço das tropas de Cleópatra, que não puderam entrar em Alexandria.

Ao mesmo tempo, a guerra entre Pompeu e Júlio César estava a ter lugar em águas egípcias. Pompeu e o seu exército estavam gravemente enfraquecidos e tiveram de fugir. Acredita-se que devido ao seu bom relacionamento com Ptolomeu XIII, ele procurou asilo no Egito.

Ptolomeu XIII, preocupado com o facto do Egito estar a tornar-se o local de uma guerra civil romana e estar a ficar sem meios para combater Cleópatra, planeou uma emboscada contra Pompeu.

Enganado, Pompeu foi morto pelos aliados egípcios. Cortaram-lhe a cabeça e enviaram-na a Júlio César. Acredita-se que o fez num gesto de poder, ao mesmo tempo que se aproximava do romano. Júlio César entrou em Alexandria e pediu aos dois irmãos que se reconciliassem, mas estes não o fizeram.

 

RELAÇÃO COM JÚLIO CÉSAR

Enquanto o conflito entre os irmãos continuava, Cleópatra e Júlio César tiveram o seu primeiro encontro. A rainha egípcia vestiu as suas melhores roupas e, segundo a crença popular, foi para Alexandria para seduzir o político e militar romano. Quando Ptolomeu XIII ouviu a notícia, exortou os cidadãos a revoltarem-se contra eles. No entanto, os romanos acabaram com os aliados do Egito e apaziguaram os alexandrinos.

A guerra contra Ptolomeu terminou com a sua morte, por volta de 47 a.C. César tinha autoridade para restabelecer o poder no Egito, por isso casou Cleópatra, com quem esperava uma criança, do seu irmão mais novo, Ptolomeu XIV.

Cesarião, o filho de Cleópatra e Júlio César, nasceu pouco depois. Acredita-se que continuaram a encontrar-se em segredo, mas não há certezas.

Cleópatra viu em Cesarião a oportunidade de convencer Júlio César a devolver o poder da costa oriental do Mediterrâneo ao Egito e a ser um aliado de Roma. No entanto, esta aspiração desapareceu quando Júlio César foi assassinado em 44 a.C.

 

RELAÇÃO COM MARCO ANTÓNIO

Muitos são aqueles que acreditam que Cleópatra queria repetir o que fez com Júlio César com o seu sucessor: Marco António.

Numa viagem a Alexandria, Marco António deixou-se enfeitiçar por Cleópatra, iniciando uma relação como amantes. Marco António estava casado com a sua primeira mulher quando se apaixonaram.

A sua relação nem sempre foi idílica e sempre houve períodos conturbados. Apesar disso, tiveram três filhos. Após uma luta contra o romano Octávio Augusto, foi negociado que Marco António teria de casar com a sua irmã, Octávia. E assim sucedeu, tendo este casamento originado dois filhos. No entanto, três anos mais tarde renegou-a e regressou a Alexandria com Cleópatra.

 

ÚLTIMO ANOS E MORTE

Por volta de 32 a.C, eclodiu uma nova guerra na qual Marco António e Octávio Augusto voltaram a defrontar-se no Egito. Na batalha que teve lugar nas águas do Áccio em 31 a.C, ele dizimou as forças de Cleópatra e Marco António. Era o fim para ambos.

Acredita-se que Marco António, cercado pelas tropas de Octávio, cometeu suicídio após receber a falsa notícia de que a mulher egípcia tinha morrido. Cleópatra, por outro lado, soube que o plano que Octávio tinha reservado para ela era exibi-la em Roma como um troféu. Incapaz de tolerar a humilhação, a rainha do Egipto suicidou-se com a mordida de uma áspide.

Cleópatra foi a última rainha da dinastia Ptolemaica. Após a sua morte, o Egipto foi anexado ao Império Romano.

Contenido relacionado