Como adaptar a história a um videojogo?

14 de Dezembro de 2020

Os videojogos deixaram há muito tempo de ser só para crianças. Desde 2015, e de acordo com a AEVI (Associação Espanhola de Videojogos) “a indústria dos videojogos posicionou-se como a principal indústria audiovisual e de lazer interativo em Espanha”. É possível que um jogo de vídeo histórico seja rigoroso?

Existem atualmente 15 milhões de utilizadores de jogos de vídeo em Espanha (42% da população total), o que os torna o 3º país da Europa, à frente do Reino Unido (40%). No topo estão a França (62%) e a Alemanha (52%).

Tal como outras indústrias audiovisuais, o setor dos videojogos tem utilizado a história para se inspirar no desenvolvimento de diferentes produtos. Jogos de vídeo tais como Civilization, Assasins Creed ou Call of Duty fizeram-no.

Para os criadores é um desafio equilibrar o rigor histórico com a sua paixão por videojogos. O seu objetivo é “levar uma parte da história a um público vasto e diversificado, viciando os veteranos e descobrindo novas possibilidades para aqueles que jogam há menos tempo”.

Gamer Sapiens, a primeira série televisiva a cobrir fases históricas fundamentais do ser humano através do mundo dos videojogos, utiliza o universo destes jogos como elemento narrativo para analisar momentos relevantes da história, tais como a Idade Média, a Segunda Guerra Mundial e a evolução humana, entre outros. Através do conhecimento de 29 especialistas de variadas áreas como a criação de videojogos históricos, historiadores, pilotos de aviões clássicos, mestres de armas ou militares no ativo, “Gamer Sapiens” revela quais as partes que aparecem nos videojogos que são fiéis à realidade e quais é que correspondem a criações artísticas.

O espetador fica imerso na história graças a famosos videojogos como Call of Duty, a saga da Civilization, ou o tão esperado Cyberpunk 2077 e pode assim corroborar quais foram os aspetos mais notáveis – anedotas, histórias e lendas – em cada período histórico; desde as armas utilizadas por cada uma das personagens até aos acontecimentos chave que se tornaram parte da nossa imaginação coletiva. A série utiliza os videojogos como elemento narrativo para entrar na difusão da história de uma forma visualmente espetacular, acrescentando uma camada de interatividade que só os videojogos podem oferecer.

“Os videojogos permitem-nos experimentar tempos passados em primeira pessoa e ser o protagonista de acontecimentos históricos, aprendendo sobre os costumes, personagens e acontecimentos que fazem parte da imaginação coletiva. Com “Gamer Sapiens”, HISTÓRIA quer destacar o trabalho informativo que os jogos de vídeo têm feito ao longo dos anos e também verificar até que ponto têm sido fiéis à história na ótica de peritos de áreas muito diversificadas. Com uma narrativa espetacular, a série combina a qualidade narrativa de um grande documentário do Canal História com o fator interatividade de um jogo de vídeo. Uma abordagem única na televisão”, diz Sergio Ramos, Vice-Presidente de Programação do The History Channel Iberia.

Contenido relacionado