É verdade que os soviéticos ressuscitaram os animais?

5 de Outubro de 2021

Um vídeo lançado pela primeira vez na década de 1940 mostra cientistas soviéticos a ressuscitarem um animal, mais especificamente, unindo a cabeça de um cão a uma máquina. A filmagem, captada pela Agência de Cinema Soviética, mostra vários cientistas a prender a cabeça de um cão a uma máquina que parece ser capaz de fazer circular sangue para o cérebro e restaurar as funções motoras básicas da cabeça.

Mais tarde, os mesmos cientistas utilizam a técnica para ressuscitar um cão que tinha estado clinicamente morto durante pelo menos dez minutos.

 

 

O Dr. Sergei Brukhonenko tinha feito um trabalho pioneiro sobre transfusão de sangue vários anos antes, um procedimento que ainda é utilizado nos hospitais modernos. Enquanto os americanos faziam experiências com primatas, os cientistas soviéticos faziam experiências com cães. Brukhonenko conseguiu isolar órgãos individuais e mantê-los a funcionar: um coração a bombear sangue, pulmões a funcionar por si próprios. O passo seguinte foi reanimar a cabeça de um cão inteiro, bombeando sangue oxigenado através das artérias com a ajuda de uma engenhoca chamada “autojektor”. Com o fornecimento de sangue ao cérebro, a cabeça supostamente reagia aos estímulos como o faria na vida, movendo os seus ouvidos, olhos e língua.

A notícia da sobrevivência da cabeça após ter sido separada do resto do corpo espalhou-se rapidamente pela Europa, e em 1937 Brukhonenko tinha aperfeiçoado a sua máquina cardíaca e pulmonar. Outro cão, este completamente intacto, foi então clinicamente morto e trazido de volta à vida com o “autojektor”. “Depois da experiência“, diz o narrador de “Experiments in the Revival of Organisms” com música triunfante, “os cães vivem durante anos, crescem, engordam e têm famílias”.

As filmagens, divulgadas apenas um ano antes da entrada dos EUA na Segunda Guerra Mundial em 1941, foram mostradas por cortesia do Conselho Nacional da Amizade americano-soviética. Há alguma relutância quanto à veracidade do vídeo, com alguns a afirmarem que o filme foi um esforço de propaganda dos americanos e dos britânicos para validar os soviéticos e promulgar o seu prestígio perante os nazis que combatiam.

Contenido relacionado