Frida Kahlo

17 de Junho de 2021

Magdalena Carmen Frida Kahlo Calderón nasceu em Coyoacán (México) a 6 de julho de 1907 e morreu a 13 de julho de 1954, aos 47 anos de idade. A pintora, tem sido uma das pessoas mais influentes da história com as duas obras, um reflexo de uma vida de sofrimento desde muito jovem.

INFÂNCIA

Filha do fotógrafo alemão Guillermo Kahlo, Frida era a terceira filha de quatro irmãos que o casal teve. A sua infância foi marcada pelos seus problemas físicos desde tenra idade. Ela teve poliomielite em 1913, que a deixou acamada durante nove meses e deixou a sua perna direita permanentemente mais magra do que a esquerda. A poliomielite foi o início de uma série de doenças e operações que a mantiveram fora da escola, o que forjou o seu carácter solitário.

 

 

A relação com a sua mãe nunca foi boa, no entanto com o seu pai teve sempre uma ligação muito forte. O seu pai sofreu convulsões epiléticas e Frida sabia o que fazer quando elas aconteciam e conseguiu acalmá-las.

Em 1922, aos 15 anos, entrou na Escola Preparatória Nacional do México, uma das melhores escolas do país. Ali fez amizade com futuras figuras intelectuais como Salvador Novo e Carmen Jaime. Fundou o grupo dos Cachuchas, definindo-se como rebeldes, críticos da autoridade e da injustiça. Em 1927 dedicou-lhes um quadro.

 

GRAVE ACIDENTE

Em 1925 ela sofreu o acidente que iria mudar e marcar completamente a sua vida. Frida Kahlo estava num autocarro quando um elétrico embateu contra ele, esmagando-o contra uma parede. A consequência deste acidente foi uma fratura tripla da sua coluna vertebral, duas costelas partidas, osso pélvico, perna, pé e clavícula também partidos. Para além disso, uma barra de ferro atravessou-a desde a anca até à vagina. Este acidente forjaria o seu carácter de sofrimento que mais tarde iria captar no seu trabalho.

Após o acidente, teve pela frente meses de repouso absoluto e mais de 35 operações. Para aliviar o tédio e as horas em que esteve acamada, Frida Kahlo começou a pintar. Foi então que o que era um método simples de entretenimento se tornou o eixo central da sua vida.

A sua primeira pintura foi um autorretrato que refletia o seu sofrimento e os acontecimentos da sua vida que a trouxeram até lá. Depois disso, continuou no mundo da pintura de retratos, desta vez usando como personagens principais o seu amigo Miguel N. Lira ou a sua irmã Cristina.

 

A SUA OBRA

A solidão e o sofrimento são o eixo fundamental do seu trabalho. A principal inspiração nas suas pinturas foram os seus autorretratos, que transmitiam a dureza da sua alma. Apesar de enquadrar o seu trabalho no surrealismo, Kahlo sempre negou fortemente esta tendência nas suas pinturas. O surrealismo era caracterizado pela sua aparência de sonho e simbolismo. Ela sempre defendeu que não pintava sonhos, mas a sua realidade, um inquérito sobre a parte mais profunda do seu ser.

Os autorretratos com olhares perdidos, que refletiam a sua infância, os seus medos e o seu sofrimento, foram por vezes “salpicados” com outros elementos, tais como animais, dos quais ela era uma grande amante.

Mesmo quando estava em convalescença, afirmou que se retratava a si própria porque passava muito tempo sozinha e era a pessoa que melhor conhecia. A sua forma de vestir com longas saias mexicanas, laços entrançados e fitas coloridas, era outra das características fundamentais dos seus autorretratos, como no autorretrato como um Tehuana de 1943.

Uma das formas mais comuns de arte popular mexicana são os Ex-Votos, representações de arte popular, de pequena dimensão, em que todo o tipo de histórias são contadas e são dados agradecimentos às divindades por terem sobrevivido a um acidente, ferimento ou doença. Inspirou-se neles, como no quadro Henry Ford Hospital de 1932 ou Retablo de 1943, no qual se pode ler “Marido e mulher Guillermo Kahlo e Matilde C. de Kahlo agradecem à Virgem das Dores por terem salvo a sua menina Frida do acidente ocorrido em 1925 na esquina de Cuahutemozin e Calzada de Tlalpan“.

Frida Kahlo experienciou o sucesso do seu trabalho durante a sua vida, impulsionada pelo interesse dos EUA nas suas pinturas. Participou em exposições no MOMA, no Philadelphia Museum of Art e no Institute of Contemporary Art em Boston.

Uma das suas obras, “Raíces”, atingiu em 2006 o recorde da obra latino-americana mais cara alguma vez vendida quando atingiu 5.600.000 milhões durante um leilão da Sotheby’s.

CASAMENTO COM O DIEGO RIVERA

À medida que recuperou do seu acidente e pôde sair de casa, Frida começou a frequentar círculos políticos, artísticos e intelectuais com os seus amigos Cachuchas. Foi então que ela conheceu o pintor Diego Rivera graças à sua amiga Tina Modotti, uma das mais importantes fotógrafas italianas da época.

Frida Kahlo frequentava muito o estúdio de Diego Rivera, desejosa de ver o seu trabalho e também de lhe mostrar os quadros que estava a fazer cada vez em maior número. A 21 de agosto de 1929 casou com Diego Rivera, separando-se 10 anos mais tarde, e voltando a casar um ano mais tarde. Este segundo casamento era com um contrato no qual se estipulava que viveriam juntos, partilhariam as despesas, continuariam a colaborar artisticamente e não haveria sexo entre eles.

A sua, relação aos olhos daqueles que os conheciam, era “estranha”, mas havia amor e funcionava para eles. Ambos tiveram casos com outras pessoas, mas isso não afetou a sua relação nem os fez amar menos um ao outro. Entre eles havia uma mistura de amor e admiração de ambos os lados que fez do seu casamento uma força e um refúgio para ambos.

Devido aos graves efeitos secundários do seu acidente quando tinha 18 anos, nunca conseguiu engravidar, mas apesar disso o seu casamento manteve-se forte até ao fim dos seus dias.

 

MORTE

Em 1953, a saúde de Frida Kahlo começou a declinar rapidamente. Nesse mesmo ano, foi organizada a única exposição individual no seu país e ela teve de assistir, numa cama de hospital, da qual falou com os convidados e recebeu os aplausos dos participantes.

No final dos 53 anos, sofreu a amputação da perna devido a uma infeção por gangrena, que a mergulhou numa depressão grave que a levou a tentar o suicídio.

Desde a amputação da sua perna, as suas ideias suicidas assombraram-lhe a cabeça e ela não teve medo de contar aos que lhe eram próximos. Foi hospitalizada três vezes por tentativas de suicídio.

Desde a amputação da sua perna, as suas ideias suicidas assombraram-lhe a cabeça e Frida não teve medo de contar aos que lhe eram próximos. Foi hospitalizada três vezes por tentativas de suicídio.

Frida Kahlo acabou por falecer em Coyoacán a 13 de julho de 1954. A causa da sua morte nunca foi conhecida, uma vez que não foi realizada nenhuma autópsia.

As suas cinzas são preservadas na Casa Azul em Coyoacán, o local onde nasceu.

Contenido relacionado