John F. Kennedy

1 de Março de 2021

John Fitzgerald Kennedy nasceu em Brookline, Massachusetts, a 29 de maio de 1917. Foi assassinado em Dallas em novembro de 1963.

Formou-se em Harvard e foi condecorado como um herói de guerra quando conseguiu trazer a sua tripulação em segurança, enquanto servia na marinha. Foi o 35º presidente dos Estados Unidos da América.

 

INFÂNCIA

JFK nasceu numa família de classe alta. Filho de um homem de negócios e antigo embaixador e de uma família política do lado da sua mãe. Era o segundo de nove irmãos. Desde muito jovem que a sua educação era uma máxima para os seus pais, matriculando as crianças nas melhores escolas. JFK teve uma viagem através de diferentes escolas devido aos movimentos e doenças da sua família que o mantiveram nos hospitais durante a maior parte da sua infância. Frequentou a Dexter School, Riverdale Country School, Canterbury School e The Choate School, todas escolas de renome no país. Depois do liceu frequentou Princeton e Harvard, sempre sujeito à sua frágil saúde.

 

Em finais de 1938 viajou com o seu pai e irmão na Normandia SS para trabalhar na Embaixada dos EUA em Londres, enquanto o seu pai servia como embaixador.

 

Após vários anos, concluiu a sua tese sobre o envolvimento do Reino Unido no Acordo de Munique em 1940, graduando-se em Harvard, em relações internacionais.

 

 

FASE MILITAR

Em 1941 alistou-se na Marinha dos Estados Unidos. Antes de ser destacado para operações no Pacífico, frequentou a Escola de Formação de Oficiais da Reserva Naval e o Centro de Formação de Esquadrões de Barcos Torpedo. Em 1943 foi abordado por um militar japonês deixando JFK ferido na coluna. Mesmo ferido, conseguiu levar o barco em segurança e salvar 10 camaradas, o que lhe conferiu várias condecorações.

 

Durante o tempo no exército, as suas ações militares levaram-no a receber o Purple Heart, um dos prémios mais importantes e mais antigos dos Estados Unidos.

 

VIDA POLÍTICA

Uma vez terminada a sua vida militar, regressou a Boston onde começou a dedicar-se de corpo e alma à política. A sua carreira foi meteórica. Aos 29 anos de idade foi eleito congressista pelo Partido Democrata durante seis anos.

Em 1952 foi eleito senador por Massachusetts, em parte devido à sua popularidade pela sua política de melhorar as condições da classe trabalhadora, baixar os preços e impostos ou obter mais segurança social para os idosos.

 

Durante a sua carreira como senador, a sua popularidade apenas cresceu, e tornou-se líder do Partido Democrata e candidato às eleições presidenciais de 1960. Derrotou Richard M. Nixon, tornando-se assim no primeiro presidente católico e o mais jovem presidente dos EUA.

 

Durante o seu mandato, as leis de imigração foram debatidas. Kennedy queria que os imigrantes tivessem os mesmos direitos, independentemente do país de origem ou de terem nascido nos Estados Unidos ou de terem obtido a cidadania mais tarde.

 

Impulsionou o programa espacial ao dar-lhe um grande orçamento para ser o primeiro a pôr os pés na lua. Seis anos após a sua morte o programa alcançou o seu objetivo.

 

Um dos seus maiores entraves durante o seu mandato foi a crise dos mísseis. Kennedy e a sua equipa tiveram uma decisão difícil em mãos. Cuba era a casa de vários mísseis nucleares com um risco potencial se fossem lançados em território dos EUA. Mas se Kennedy decidisse atacar, a guerra nuclear contra a URSS seria uma questão de dias.

Após dias em que o mundo foi quase involuntariamente arrastado para uma guerra nuclear, Kennedy e Khrushchev chegaram a um acordo para resolver o assunto. A partir de então, a administração do Presidente foi mais cautelosa no meio da Guerra Fria para evitar consequências catastróficas.

Ainda em choque com o que poderia ter sido desencadeado, JFK assinou o Tratado de Proibição Parcial de Testes, que proibia os testes atómicos em terra, debaixo de água ou na atmosfera.

 

Embora a Guerra do Vietname se tenha desenvolvido mais fortemente na administração do sucessor de JFK, sempre se afirmou que o arquiteto involuntário dessa mesma guerra era Kennedy. Criou programas para ajudar o governo do Vietname do Sul, para além de lhes fornecer armas e dinheiro que provocaram o golpe de estado no Vietname.

Documentos recentemente desclassificados mostram que Kennedy queria eliminar gradualmente as tropas dos EUA.

 

Durante o mandato de JFK, foi criado o Corpo da Paz no qual qualquer americano poderia alistar-se para servir como voluntário em nações em desenvolvimento.

 

 

VIDA PESSOAL

John F. Kennedy casou com Jacqueline Lee Bouvier em 1953. Tiveram quatro filhos, embora o primeiro tenha morrido antes de nascer. Em 1957 nasceu Caroline, seguida por John F. Jr. e Patrick Bouvier, que morreu apenas dois dias após o seu nascimento.

A juventude do casal, juntamente com o seu carisma, fez com que se tornassem celebridades ao nível de estrelas de cinema, despertando o afeto e a admiração de todo o mundo.

Um caso não confirmado com Marilyn Monroe, motivado pela visão da diva de Hollywood a cantar os “parabéns” ao presidente, fez a primeira página das revistas e jornais, no entanto continua a ser um enigma até aos dias hoje. Foi um dos únicos acontecimentos que poderia abalar a imagem do casamento idílico.

 

Os infortúnios tiveram sempre presentes na vida do casal. Não só tiveram de enterrar dois bebés, como Jacqueline experienciou mais tarde o assassinato do seu próprio marido em primeira mão.

 

 

ASSASSINATO

No meio da sua campanha de reeleição, Kennedy estava com a sua esposa num descapotável, cruzando as ruas de Dallas. Por volta das 12:30 do dia 22 de novembro de 1963, Kennedy foi baleado várias vezes, matando-o quase imediatamente.

 

Apenas uma semana depois, o Presidente Johnson criou a Comissão Warren a fim de esclarecer quem ou quem e porquê. Após a conclusão da investigação, Lee Harvey Oswald foi condenado como assassino do presidente.

 

Apesar de terem passado mais de 50 anos, a opinião pública continua desconfiada do veredicto de investigação e ainda se fala de uma conspiração do FBI e da CIA para derrubar um dos presidentes mais socialmente mais empenhados da América.

 

Os restos mortais do 35º presidente dos Estados Unidos encontram-se no Cemitério Nacional de Arlington, ao lado da sua esposa e filhos.

Contenido relacionado