O ENIGMA DOS CÍRCULOS DE CULTIVO

21 de Dezembro de 2021

No início da década de 1980 em Wiltshire, no sul de Inglaterra, apareceram círculos estranhos nos campos de cereais. Este acontecimento chamou à atenção os agricultores envolvidos, que não conseguiram explicar o quê, quem, ou como é que os desenhos complexos podiam ter sido feitos nos campos.

Parecia que um objeto desconhecido ou estranho tinha aterrado nos campos e começado a mover-se em círculos, no sentido dos ponteiros do relógio, deixando padrões diferentes, mas impressos com uma precisão espantosa. Estes fenómenos foram chamados círculos de culturas.

Curiosamente, após as primeiras descobertas, este fenómeno propagou-se aos campos de trigo, aveia, cevada, colza e mesmo aos campos de batata em todo o mundo. Existem atualmente mais de 10.000 círculos de culturas documentadas e fotografadas em 30 países diferentes, incluindo os Estados Unidos, Canadá, Bulgária, Hungria, Japão e Países Baixos.

No início, os desenhos nos campos pareciam círculos simples, mas com o tempo os desenhos tornaram-se mais sofisticados. Cruzes celtas, galáxias em espiral, fases da lua e outros sinais astrológicos e símbolos mágicos começaram a aparecer. Inclusive um alfabeto desconhecido. Esta mudança foi acompanhada de perguntas inquietantes: o quê ou quem é que estava por detrás destes cuidadosos desenhos? Tinham eles uma mensagem escondida? Foram apresentadas diferentes teorias.

Algumas pessoas culparam seres provenientes de outros planetas. Outros eram a favor de fenómenos metrológicos e alguns culpavam os hooligans com aspirações artísticas. O que muitos concordaram era que fenómeno remontava há vários séculos. Antes de 1980, existiam 400 círculos registados em 290 casos estranhos. Já na idade Média existiam crónicas em que eram mencionados círculos de duendes ou de bruxas. Estavam, portanto, associados a eventos noturnos que ocorriam à luz da lua.

No entanto, não foi até ao advento da aviação que este misterioso fenómeno se tornou popular. O círculo de pedra de Avebury, a pirâmide chamada Silbury Hill e as ruínas de pedra de Stonehenge, o monumento pré-histórico mais famoso da Terra, encontravam-se a poucos quilómetros de distância.

Além disso, outros acontecimentos aumentavam o mistério. Por exemplo, as marcas apareciam frequentemente, de manhã, em sítios onde não tinha acontecido nada no dia anterior. Além disso, não foi possível detetar vestígios ou resíduos no solo e as plantas circundantes não foram afetadas. Porém, mais perturbador, foi o facto dos solos onde estes círculos apareceram não se terem tornado novamente férteis. Em resposta a esta preocupação, foram recolhidas e analisadas amostras das culturas em laboratório. Verificou-se que as sementes nas espigas de milho tinham desaparecido como se os nódulos nos caules tivessem explodido aquando de um contacto com demasiado calor. Alguns atribuíram esta radiação às naves espaciais extraterrestres que queimariam os campos em círculos. O biofísico Levengood e a sua equipa explicaram isto baseando-se em massas de partículas de ar eletrificadas chamadas plasmas que são também as causas para os relâmpagos e as auroras boreais.

Pela parte que lhe toca, o cientista Terence Meaden apresentou a possibilidade de se tratar de um fenómeno meteorológico. O vento gera remoinhos que se carregam eletricamente por fricção interna e podiam desenhar círculos de cultura. Esta teoria convenceu aqueles que não aceitavam a explicação sobrenatural, mas esta desfez-se quando os desenhos se tornaram sofisticados.

Foi quando Doug Bower e Dave Chorley, dois amigos que assumiram a autoria da maioria dos desenhos, entraram em cena. Confessaram que tinham vindo a desenhar números sobre as colheitas durante 15 anos. Bower e Chorley provaram a sua autoria à imprensa reproduzindo uma das formas mais elaboradas, e após a sua confissão, apareceram outros imitadores, como Johnny Lundberg, que a firmou ter desenhado mais de 100 desenhos. Apesar das provas, alguns investigadores suspeitam que a origem dos círculos seja humana, uma vez que nem todos têm as mesmas características. Por esta razão, foi feita uma diferenciação entre os círculos feitos como um embuste, que constituem 80% e têm um desenho complexo, e os círculos originais, que constituem os restantes 20%. Estes últimos são mais simples e foram registados antes de 1980. Não existem provas ou registos de que tenham sido criados por humanos. Os originais seriam explicados por uma das teorias anteriores, a do eletromagnetismo, mas há ainda aqueles que levantam a possibilidade de virem de uma quarta dimensão e nós só captamos impressões isoladas. Tais impressões seriam círculos de culturas. De qualquer forma, os círculos de culturas continuam a aparecer hoje em dia e tornaram-se pontos de peregrinação. As pessoas que as visitam são chamadas croppies ou cerealologistas. Na realidade, muitas organizações tecnológicas foram criadas para encontrar a explicação para estes círculos de culturas enigmáticas.

Contenido relacionado