Os momentos chave do holocausto

17 de Junho de 2021

Um estudo da CNN realizado em 2018 mostrou que 1 em cada 20 europeus inquiridos nunca tinha ouvido falar do Holocausto. Quase 80 anos após uma das piores atrocidades jamais experimentadas pela humanidade, o que aconteceu deveria ser conhecido por toda a humanidade. E enquanto a negação do Holocausto é ilegal em alguns países, em muitos outros não é.

A origem da palavra “Holocausto” encontra-se nas palavras gregas “holo” (todos) e “kaustos” (queimado) e foi historicamente usada para descrever uma oferta sacrificial de queimadura num altar. Desde 1945, a palavra assumiu um novo e horrível significado: a perseguição ideológica e sistemática e o assassinato em massa de milhões de judeus, deficientes intelectuais, dissidentes, homossexuais e ciganos pelo regime nazi alemão entre 1933 e 1945.

Para o líder nazi antissemita Adolf Hitler, os judeus eram uma raça inferior, uma ameaça à pureza racial e à comunidade alemã. Após anos de domínio nazi na Alemanha, durante os quais os judeus foram constantemente perseguidos, a “Solução Final” de Hitler, também conhecida como o “Holocausto”, materializou-se sob o disfarce da Segunda Guerra Mundial, com centros de massacre construídos em campos de concentração na Polónia ocupada. Aproximadamente seis milhões de judeus e outros cinco milhões, atacados devido a razões raciais, políticas, ideológicas e comportamentais, morreram no Holocausto. Mais de um milhão dos que morreram eram crianças.

 

ANTES DO HOLOCAUSTO: ANTISEMITISMO HISTÓRICO E A ASCENSÃO DE HITLER AO PODER

O antissemitismo na Europa não começou com Adolf Hitler. Embora a utilização do termo em si data apenas da década de 1870, há provas de hostilidade para com os judeus muito antes do Holocausto, mesmo muito antes do mundo antigo, quando as autoridades romanas destruíram o templo judeu em Jerusalém e forçaram os judeus a deixar a Palestina.

O Iluminismo, durante os séculos XVII e XVIII, enfatizou a tolerância religiosa, e no século XIX Napoleão e outros governantes europeus promulgaram leis que puseram fim a restrições de longa data aos judeus. Sentimentos antissemitas prevaleceram, contudo, em muitos casos assumiram um caráter mais racial do que religioso.

O governo suíço e as instituições bancárias reconheceram nos últimos anos a sua cumplicidade com os nazis e estabeleceram fundos para ajudar os sobreviventes do Holocausto e outras vítimas de violações dos direitos humanos, genocídio ou outras catástrofes.

 

REVOLUÇÃO NAZI NA ALEMANHA 1933-1939

              Os objectivos de pureza racial e expansão territorial estavam no centro da visão de mundo de Hitler, e a partir de 1933 combinar-se-iam para formar a força motriz das suas políticas externa e interna. No início, os nazis focaram-se na perseguição a adversários políticos como os comunistas ou os social-democratas. O primeiro campo de concentração oficial abriu em Dachau (perto de Munique) em Março de 1933, e muitos dos primeiros prisioneiros enviados para lá eram comunistas.

Tal como a rede de campos de concentração que se seguiu, que se tornou o campo de extermínio do Holocausto, Dachau estava sob o controlo de Heinrich Himmler, chefe da guarda nazi de elite, o Schutzstaffel (SS), e mais tarde chefe da polícia alemã. Em julho de 1933, os campos de concentração alemães (Konzentrationslager em alemão, ou KZ) detinham cerca de 27.000 pessoas em “custódia protetora”.

Em 1933, os judeus na Alemanha eram cerca de 525.000, apenas 1% do total da população alemã. Durante os seis anos seguintes, os nazis empreenderam uma “arianização” da Alemanha, despedindo os não arianos da função pública, liquidando empresas de propriedade judaica, e despojando os advogados e médicos judeus dos seus clientes.

Grandes armazéns de Israel em Berlim a 01 de abril de 1933: “Os Alemães defendem-se! No comprem os judeus”.

Ao abrigo das Leis de Nuremberga de 1935, qualquer pessoa com três ou quatro avós judeus era considerada judia, enquanto aqueles com dois avós judeus eram designados Mischlinge (mestiços).

Segundo estas mesmas leis, os judeus converteram-se num alvo de estigmatização e perseguição. Isto culminou na Kristallnacht, ou a “Noite do Vidro Partido” em Novembro de 1938.

Sinagogas alemãs foram queimadas e janelas de lojas judaicas foram partidas; cerca de 100 judeus foram mortos e outros milhares foram presos. De 1933 a 1939 centenas de milhares de judeus que tiveram a oportunidade de deixar a Alemanha fizeram-no, enquanto os que permaneceram viveram num estado constante de incerteza e medo.

 

O INÍCIO DA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL, 1939-1940

Em Setembro de 1939, o exército alemão ocupou a metade ocidental da Polónia. A polícia do regime obrigou dezenas de milhares de judeus polacos a abandonar as suas casas e guetos, entregando os seus bens confiscados a alemães étnicos (não judeus fora da Alemanha que se identificaram como alemães), alemães do Reich, ou gentios polacos.

Rodeados por muros altos e arame farpado, os guetos judeus da Polónia funcionavam como cidade-estado cativos, governados por conselhos judaicos. Para além do desemprego generalizado, pobreza e fome, a superlotação tornou os guetos locais de reprodução de doenças como o tifo.

Entretanto, a partir do Outono de 1939, funcionários nazis selecionaram cerca de 70.000 alemães institucionalizados por doença mental ou deficiência para serem gaseados até à morte no chamado Programa de Eutanásia. Depois de proeminentes líderes religiosos alemães protestarem, Hitler terminou o programa em agosto de 1941, embora os assassinatos dos deficientes continuassem em segredo, e em 1945 cerca de 275.000 pessoas consideradas deficientes em toda a Europa tinham sido mortas.

 

PARA A “SOLUÇÃO FINAL”, 1940-1941

Durante a Primavera e o Verão de 1940, o exército alemão expandiu o império de Hitler na Europa, conquistando a Dinamarca, Noruega, Holanda, Bélgica, Luxemburgo e França. A partir de 1941, judeus de todo o continente, assim como centenas de milhares de ciganos europeus, foram transportados para guetos polacos. A invasão alemã da União Soviética, em junho de 1941, marcou um novo nível de brutalidade na guerra. Unidades móveis assassinas chamadas “Einsatzgruppen” assassinariam mais de 500.000 judeus soviéticos e outros (geralmente por tiroteio) no decurso da ocupação alemã.

Um memorando datado de 31 de julho de 1941, do alto comandante de Hitler, Hermann Goering, a Reinhard Heydrich, chefe do SD (o serviço de segurança das SS), referia-se à necessidade de uma “Endlösung” (“Solução Final”) para “a questão judaica”. A partir de setembro de 1941, todas as pessoas designadas como judeus em território controlado pela Alemanha passaram a ser identificadas com uma estrela amarela, tornando-as alvos abertos. Rapidamente, dezenas de milhares de pessoas foram deportadas para guetos polacos e cidades ocupadas pela Alemanha na URSS.

Desde junho de 1941, tinham sido realizadas experiências com métodos de assassinato em massa no campo de concentração de Auschwitz, perto de Cracóvia. Em Agosto, 500 prisioneiros de guerra soviéticos foram gaseados até à morte com o pesticida Zyklon-B por 500 funcionários. As SS fizeram em breve uma grande encomenda de gás a uma empresa alemã de controlo de pragas, um indicador sinistro do Holocausto que se aproxima.

 

CAMPOS DE EXTREMÍNIO DO HOLOCAUSTO, 1941-1945

A partir de finais de 1941, os alemães começaram os transportes em massa de pessoas dos guetos da Polónia para os campos de concentração, começando pelos considerados menos úteis: os doentes, os idosos, os fracos e os muito jovens. As primeiras gaseificações em massa começaram no campo de Belzec, perto de Lublin, a 17 de março de 1942. Cinco outros centros de massacre foram construídos em campos na Polónia ocupada, incluindo Chelmno, Sobibor, Treblinka, Majdanek, e o maior de todos, Auschwitz-Birkenau. De 1942 a 1945, os judeus foram deportados para campos em toda a Europa, incluindo território controlado pela Alemanha, bem como países aliados com a Alemanha. As maiores deportações tiveram lugar durante o verão e outono de 1942, onde mais de 300.000 pessoas foram deportadas apenas do gueto de Varsóvia.

Auschwitz-Birkenau

 

Alimentados com deportações, doenças e fome constante, os habitantes do gueto de Varsóvia levantaram-se em revolta armada. A revolta do gueto de Varsóvia de 19 de Abril – 16 de Maio de 1943, terminou com a morte de 7.000 judeus e 50.000 sobreviventes enviados para campos de extermínio. Mas os combatentes da resistência tinham retido os nazis durante quase um mês, e a sua revolta inspirou outros nos campos e guetos da Europa ocupada pela Alemanha.

Embora os nazis tentassem manter o funcionamento dos campos em segredo, a escala do massacre tornou isto praticamente impossível. Testemunhas levaram os relatos de atrocidades nazis na Polónia aos governos Aliados, que foram severamente criticados após a guerra por não terem respondido ou por não terem divulgado as notícias do massacre em massa. Esta falta de acão deveu-se provavelmente principalmente ao enfoque Aliado na vitória da guerra em questão, mas foi também o resultado da incompreensão geral com que as notícias do Holocausto foram recebidas e da negação e descrença de que tais atrocidades poderiam estar a ocorrer a uma tal escala.

Só em Auschwitz, mais de 2 milhões de pessoas foram assassinadas, num processo que se assemelha a uma operação industrial em grande escala. Uma grande parte dos prisioneiros judeus e não judeus trabalhava no campo de trabalho forçado; embora apenas os judeus fossem gaseados, mais milhares morreram de fome ou de doença. E em 1943, o eugenista Josef Mengele chegou a Auschwitz para iniciar as suas infames experiências com prisioneiros judeus.

Richard Baer, Josef Mengele y Rudolf Höß. Auschwitz, 1944.

 

O seu principal foque foi a realização de experiências médicas em gémeos, injetando-os com tudo, desde gasolina a clorofórmio, sob o pretexto de tratamento médico. As suas ações valeram-lhe a alcunha de “anjo da morte”.

 

O FIM DO DOMÍNIO NAZI, 1945

Na Primavera de 1945, a liderança alemã estava a dissolver-se devido a divisões internas, com Goering e Himmler a procurar distanciar-se de Hitler e tomar o poder. No seu último testamento, ditado num bunker alemão a 29 de Abril, Hitler atribuiu a culpa da guerra aos “judeus internacionais e seus ajudantes” e instigou os líderes e o povo alemão a seguir “o rigoroso cumprimento das leis raciais e uma implacável resistência contra os envenenadores universais de todos os povos” – os judeus. No dia seguinte, Hitler suicidou-se. A rendição formal da Alemanha na Segunda Guerra Mundial ocorreu apenas uma semana mais tarde, a 8 de maio de 1945.

As forças alemãs tinham começado a evacuar muitos dos campos de extermínio no outono de 1944, enviando prisioneiros sob guarda para marcharem mais longe da linha da frente do inimigo em avanço. Estas chamadas “marchas da morte” continuaram até à rendição alemã, resultando na morte de cerca de 250.000 a 375.000 pessoas. No livro “Survival in Auschwitz“, o autor judeu italiano Primo Levi descreveu os seus próprios sentimentos, bem como os dos seus companheiros de prisão em Auschwitz, na véspera da chegada das tropas soviéticas ao campo em janeiro de 1945: um mundo de morte e fantasmas. O último vestígio da civilização tinha desaparecido à nossa volta e dentro de nós. O trabalho de degradação iniciado pelos alemães vitoriosos tinha sido levado a cabo pelos alemães em derrota.

 

CONSEQUÊNCIAS E IMPACTO DO HOLOCAUSTO NO TEMPO

As feridas do Holocausto, conhecidas em hebraico como Shoah, ou catástrofe, foram difíceis a sarar. Os sobreviventes do campo acharam quase impossível regressar a casa, pois em muitos casos tinham perdido as suas famílias e tinham sido denunciados pelos seus vizinhos não judeus. Como resultado, nos finais dos anos 40, um número sem precedentes de refugiados, prisioneiros de guerra e outras pessoas deslocadas moveram-se através da Europa.

Num esforço para punir os vilões do Holocausto, os Aliados realizaram os “Julgamentos de Nuremberga” de 1945/46, que trouxeram à luz as atrocidades nazis. O aumento da pressão sobre as potências Aliadas para criar uma pátria para os sobreviventes judeus do Holocausto levaria a um mandato para a criação de Israel em 1948.

Nas décadas que se seguiram, os alemães comuns lutaram contra o amargo legado do Holocausto, enquanto sobreviventes e famílias de vítimas procuravam a restituição da riqueza e bens confiscados durante os anos nazis. A partir de 1953, o governo alemão fez pagamentos individuais aos judeus e ao povo judeu como forma de reconhecer a responsabilidade do povo alemão pelos crimes cometidos em seu nome.

Contenido relacionado