Tropicália: a história da música nos anos 70

26 de Março de 2020

No final da década de 1960, o governo brasileiro estava a passar por um período instável de constantes mudanças.

Após o Golpe de Estado de 1964, as forças armadas brasileiras apoiadas pelas americanas derrubaram o presidente socialista João Goulart.

A ditadura chegou ao Brasil com Humberto de Alencar Castelo Branco. Com a ditadura, a censura ocorreu em todas as áreas da vida brasileira, incluindo nas artes. Foi nessa altura que o movimento Tropicalista ou Tropicália surgiu como forma de luta contra a ditadura através da arte e da música.

 

Três dos grandes impulsionadores deste movimento, Tom Zé, Gilberto Gil e Caetano Veloso, juntamente com Os Mutantes, lançaram um manifesto musical chamado “Tropicália: ou Panis et Circencis”. O sol de Tropicália foi baseado na teoria da Antropologia como um canibalismo cultural que acreditava na conjunção de ideias de outras culturas e artistas para fazer algo único.

 

Os mutantes, grandes figuras deste género envolveram os seus interesses pela DC Comics e Pink Floyd com sons de Bossanova, tocando em cenários psicadélicos e em túnicas. No início, esta forma de data foi rejeitada porque estava a ser levada por ideais capitalistas.

 

Embora o fenómeno da Tropicália tivesse acontecido durante os anos 70, foi necessário aguardar até o final dos anos 80 e início dos anos 90 para que esse género fosse adoptado por artistas como The Talking Heads, Arto Lindsay ou Beck, que se sentiam influenciados pelos Mutantes e que na crítica musical eram vistos como os “incompreendidos do seu tempo”.

<center><iframe src=”https://www.youtube.com/embed/Srz8xj6W8KY” width=”560″ height=”315″ frameborder=”0″ allowfullscreen=”allowfullscreen”></iframe></center>&nbsp;

Contenido relacionado