Captura de Anne Frank pelas forças da Alemanha nazi

4 de Agosto de 1944

A Gestapo nazi capturou neste dia, no ano de 1944, Anne Frank e a sua família, que estavam escondidos numa arrecadação em Amesterdão, na Holanda. Além dos Frank, uma outra família e um homem judeu foram encontrados pelos nazis e enviados para os campos de concentração. Anne e a sua família estavam escondidos há dois anos e recebiam ajuda de amigos cristãos, que lhes traziam comida e outras provisões. Enquanto esteve escondida, Anne Frank escreveu um diário que, mais tarde, viria a tornar-se um livro mundialmente famoso e que foi inclusivamente traduzido em vários idiomas.

Anne Frank nasceu em Frankfurt, na Alemanha, no dia 12 de junho de 1929. Anne era a segunda filha de Otto Frank e Edith Frank-Hollander, ambos de famílias judias que viviam há séculos na Alemanha. Com a ascensão do líder nazi Adolfo Hitler ao poder, em 1933, Otto mudou-se com a família para Amesterdão, para escapar à perseguição nazi levada a cabo contra os judeus. Na Holanda, Otto tinha um negócio de venda de temperos e compotas. Em 1942, Otto preparou um esconderijo, num local anexo ao seu armazém, no Canal Prinsengracht, em Amesterdão, quando ocorreu a invasão alemã.
O último registo de Anne no seu diário data de dia 1 de agosto de 1944. Anne e os restantes judeus que estavam escondidos foram entregues à Gestapo por um informante desconhecido. Os dois cristãos que os ajudavam também foram presos. Foram todos enviados para um campo de concentração na Holanda, e, em setembro, Anne e algumas outras pessoas foram para Auschwitz, na Polónia. No outono de 1944, com a libertação da Polónia pelos soldados soviéticos, Anne foi transferida com a irmã Margot para o campo de concentração de Bergen-Belsen, na Alemanha. As duas já tinham a saúde muito fragilizada e morreram vítimas de tifo, em março de 1945. O campo foi libertado pelos soldados britânicos menos de dois meses depois.

Otto Frank foi o único do grupo a sobreviver nos campos da morte. Depois da guerra, Otto voltou para Amesterdão através da Rússia, tendo-se reunido com Miep Gies, uma ex-funcionária que o ajudou na época em que ele estava escondido. Foi ela que entregou o diário de Anne a Otto. Em 1947, o diário foi publicado por Otto em holandês original, com o nome “Diary of a Young Girl”. O livro tornou-se imediatamente num best-seller e foi traduzido em mais de 50 idiomas. O esconderijo da família Frank, em Prinsengracht, nº 263, em Amesterdão, foi transformado em museu em 1960.

Contenido relacionado