Morre o ex-pugilista Muhammad Ali

3 de Junho de 2016

No dia 3 de junho de 2016 morreu, aos 74 anos, o lendário ex-pugilista de boxe Cassius Marcellus Clay Jr., mais conhecido como Muhammad Ali. Um porta-voz da família informou que a causa da morte foi um choque séptico devido a causas naturais não especificadas. No início da década de 1980, o atleta foi diagnosticado com a doença de Parkinson.
Nascido a 17 de janeiro de 1942, Ali foi o primeiro pugilista a conquistar três vezes o título de pesos-pesados. Venceu 56 vezes nos seus 21 anos de carreira profissional. Foi eleito “O Desportista do Século” pela revista americana “Sports Illustrated” em 1999. Além disso, Ali também era bastante participativo em causas humanitárias.
Clay conquistou o seu primeiro título mundial a 25 de fevereiro de 1964 ao derrotar o então campeão de pesos-pesados Sonny Liston. Antes da luta, ele prometeu “flutuar como uma borboleta, picar como uma abelha”, prevendo o KO. Quando foi coroado com o título, Ali gritou: “Sou o maior!”. Pouco tempo depois, Clay confirmou os boatos sobre a sua conversão ao Islamismo. A 6 de março de 1964, ele mudou o nome para Muhammad Ali.
Com a Guerra do Vietname em curso, Ali foi intimado a apresentar-se às Forças Armadas dos EUA a 28 de abril de 1967. Evocando as suas crenças religiosas, recusou-se a ir. Ali foi preso, e a Comissão Atlética do Estado de Nova Iorque suspendeu imediatamente a sua licença de pugilista, revogando o título de campeão de pesos-pesados. Condenado por evasão fiscal, Ali foi condenado a cinco anos de prisão e a uma multa de 10 mil dólares, mas conseguiu continuar em liberdade enquanto decorria o recurso da sentença. Banido do boxe durante três anos, Ali manifestou-se contra a Guerra do Vietname em diversas ocasiões. A 3 de fevereiro de 1970, o lutador convocou uma conferência de imprensa para anunciar que iria abandonar o boxe de vez.
A dezembro de 1970, o Supremo Tribunal do Estado de Nova Iorque ordenou que ele voltasse a receber a sua licença de pugilista, e, no ano seguinte, o Supremo Tribunal dos Estados Unidos anulou a sua sentença por decisão unânime. Desta forma, Clay mudou de ideias em relação à sua retirada e voltou aos ringues. A 8 março de 1971, teve oportunidade de recuperar o título de campeão de pesos-pesados num combate contra o campeão Joe Frazier, um confronto que ficou conhecido como a “Luta do Século”. O invicto Frazier derrotou Ali, que sofreu a sua primeira derrota como profissional.
A recuperação do título aconteceu somente no dia 30 de outubro de 1974, quando Ali, então com 32 anos, enfrentou o campeão em título George Foreman de 25 anos. O supercombate em Kinshasa, Zaire (atual Congo) ficou conhecido por “Rumble in the Jungle” (“Luta na Selva”) . Ali venceu por KO no oitavo round e recuperou o título que lhe fora retirado há sete anos. A 15 de fevereiro de 1978, Ali perdeu o título para Leon Spinks. Sete meses depois, Ali derrotou Spinks e por decisão unânime dos jurados, num combate com 15 rounds para recuperar o título de campeão de pesos-pesados. O atleta reformou-se em 1981.

Contenido relacionado