O Tratado de Tordesilhas foi assinado para dividir as terras do Novo Mundo

7 de Junho de 1494

A 7 de junho de 1494 foi assinado o Tratado de Tordesilhas. O documento assinado pelos Reino de Portugal e Castela (a Espanha moderna) determinava a divisão das terras “descobertas e por descobrir” por ambas as nações fora da Europa. O objetivo era acabar com a disputa entre os dois países pela posse dos novos territórios.
O tratado ficou conhecido por este nome porque foi assinado na cidade castelhana de Tordesilhas. O acordo surgiu depois de os Portugueses terem contestado as pretensões da Coroa de Castela, relativamente à viagem de Cristóvão Colombo. Um ano e meio antes, o navegador aportou no chamado Novo Mundo e reivindicou o continente para Isabel, a Católica (1474-1504), rainha de Castela.
Pelo acordo, foi definida uma linha imaginária de demarcação que passava a 370 léguas da Ilha de Santo Antão, no arquipélago de Cabo Verde. Os territórios a leste deste meridiano pertenceriam a Portugal e os territórios a oeste a Castela. Assim, o território português no Brasil começaria próximo do local onde hoje fica Belém (PA) e desceria em linha reta até as proximidades de Laguna (SC).
Em 1534, o Império Português criou o sistema de capitanias hereditárias com o objetivo de colonizar e explorar as novas terras. Esses territórios iam do litoral até ao limite estipulado pelo Tratado de Tordesilhas, mas não demorou para que os Portugueses começassem a invadir o território da Espanha. Os Espanhóis precisavam tomar conta de uma área muito extensa e não foram capazes de se defender das investidas portuguesas. Em 1750, o Tratado de Tordesilhas foi oficialmente descartado e atualizado para o Tratado de Madrid.

Contenido relacionado